Remake do clássico da SNK traz beleza em seus gráficos, simplifica a jogabilidade para os iniciantes mas ainda segue a dificuldade para dominar todas as técnicas do jogo

Samurai Shodown, um dos clássicos jogos de luta traz aquilo que o Luciano da década de 90 era fissurado, jogos de luta no arcade e espadas, esperava horas e horas no fliperama da esquina para tentar jogar os concorridos Street Fighter, Mortal Kombat e The King of Fighters, até chegar uma máquina nova, um jogo de luta da Neo-Geo e que não fisgou muito os frequentadores do "fliper", era Samurai Shodown, ou Samurai Spirits como preferir e foi ali que passei boas horas das minhas tardes após a aula.

Mais de uma década depois o jogo é relançado, não como um um remaster do original mas completamente reformulado, novos gráficos, novos comandos, mas mantendo o espírito samurai!

Difícil? não! Fácil? Menos ainda!

Jogos de luta podem parecer simples aos olhos mais desatentos, só apetar meia dúzia de botões aleatoriamente que uma hora sai um golpe especial, mas a verdade é bem diferente disso, requer paciência, estudo do oponente e reflexos rápidos, agora pegue esses requisitos e triplique e chegará a complexidade de Samurai Shodown.   A execução dos combos parecem simples mas não são, é necessário saber o momento exato para quebrar a guarda do oponente e como desarma-lo, o que é uma façanha e tanto, tendo em vista que a maior parte dos golpes e a força deles vem das suas armas.                                                                                                                               Os golpes especiais foram simplificados, não é preciso fazer combinações cabalísticas para soltar o super golpe, porém ele é limitado a uma única vez por luta e tira uma quantidade absurda de vida do oponente ( ou sua), então use-a sabiamente.

Cadenciado, firme e fiel

Ao manter o estilo cadenciado do jogo a SNK se mantêm fiel às raízes do jogo, quando você executa um ataque forte, dá para sentir o "peso"do ataque, pois o dano é bem considerável, mas acertar o golpe é outra história. Os rounds dentro do jogo podem demorar muito mais enquanto um oponente estuda o outro que em troca de golpes, pois cada acerto conta, cada quebra de defesa ou esquiva pode ser a diferença entre vencer e perder e não são necessários muitos golpes para finalizar seu oponente, então se você quer sair pulando feito um maluco dando espadada como se não houvesse amanhã se prepara para ser retalhado por seus oponentes, o jogo requer meticulosidade, muito mais que decorar uma série infinita de combos e comandos.

Honra e sangue

Samurai Shodown é para mim sem dúvida alguma um dos melhores jogos de luta já feitos, sai do padrão combos infinitos e entendiantes e puxa um lado mais "dark souls" dada as devidas proporções. Personagens marcantes com características bem distintas, seja no visual, no estilo de luta ou na personalidade, cenários que te levam de volta ao Japão durante o Xogunato.

O ponto fraco do jogo fica por conta do modo história, o jogo caminha bem e o modo história não empolga ( não que o foco do jogo seja esse), dá para conhecer um pouco dos personagens mas o chefe final não cola, não dá aquele peso de ser o chefão como o M.Bison ( Vega) ou Shang Tsung de Mortal Kombat, a luta é sem graça, sem necessidade de estratégias, fato que não tira em nada toda a experiência do jogo!

Infelizmente não consegui testar o modo Dojo

O jogo nos foi cedido  para análise pela SNK para PS4